Páginas

4 de fev de 2011

De quando eu visitei as Duas Terras

Recentemente pude ter o privilégio de visitar as Duas Terras. Não postei na época o que eu escrevi, e hoje achei aqui guardado!

Alexandria, Kemet

O lugar que eu mais esperei. Desde o dia que fiquei sabendo minha data e o navio. Eu ia visitar o lugar sagrado, as Duas Terras. Os dias foram passando e finalmente, finalmente, finalmente chegou o grande dia. O chato: duas colegas sem poder sair. Íamos sair Bispo e eu. 
Uns dias antes fui falar com a chefona.
Posso ter day off? Não. Dá pra ter mais horas livres? Não. Dá pra sair mais cedo? Não.
No fim ela liberou uma hora mais cedo todo mundo. Beleza. 1 da tarde, eu ia estar na rua. Impossível ir no Cairo visitar as piramides, 2 horas de viagem desde Alexandria, que merda. Mas tudo bem, essa visita fica pra outra ocasião.
1 da tarde eu pronta, pego a câmera com Ze e la vamos Ale e eu. Tinha que levar um documento lá da imigração que eles deram pra nos uma noite antes. Saímos, entramos no porto. E caralho. CARALHO.
O terminal eh absolutamente LINDO. Tudo em mármore e granito, esculturas, lustre em forma de piramide, e eh gigante, gigante.Gente, um absurdo de tao lindo aquele porto. No terminal encontramos o Luigi, o cozinheiro gato. Ele se juntou com a gente e lah fomos nos sair do porto e tentar descolar um taxi.
Na saída, infartei. Vaaaaaaaaaaarias lojas de souvenir com tudo, mas absolutamente tudo que se imagine. Fiquei louca, queria entrar lah na hora e levar tudo. TUDO. Continuamos a caminhar, achamos um taxi, combinamos um tour de 2 horas com o cara.
A cidade é um caos absoluto, muito suja. Se no Brasil a gente pensa no contraste do abismo social, gente, no Egito isso é muito mais acentuado.Aí vimos as mulheres de burka e caramba, elas usam até luva!!Horrendo e assustador, nossa. Chegamos na nossa primeira parade, o templo de Ptolomeu.
Paramos, tinha que pagar entrada e nisso ficamos zoando nos perguntando se tinha camisa de time de futebol do Egito e tal. Nisto, 3 caras ali pra entrar tambem chegam na gente, sao brasileiros jogadores de futebol!!!
Andamos com eles e quando eu entro no templo, as lagrimas. Puta merda. Eu tava lá
Olhei cada pedra, cada estatua, e aquele pilar gigante com a esfinge do lado. Eu tava lá de verdade, de verdade. Logo no inicio do caminho, uma estatua de Ramses II – meu monarca favorito! Reverenciei meu ancestral setiano e continuei o caminho. Fotos. Fotos e mais fotos. Hora de ir, nos despedimos dos jogadores de futebol e voltamos pro taxi. Proxima parada, anfiteatro romano.
Chegamos, mais uma entrada pra pagar. Entramos, uau. Mais fotos, o sol torrando, nao importava. Andamos em tudo, maravilhoso. Um sonho real, eu tocava nas pedras, maravilhada. Cada passo que eu dava meu sorriso so aumentava. Mais fotos, vambora.
Proxima parade, Biblioteca de Alexandria. Infelizmente, a nova, jah que a primeira foi destruida por um incêndio, a segunda por um terremoto. Iamos entrar, mas tava uma galera lá, iamos perder um tempo absurdo. Andamos por fora, o treco é gigante. Do lado de fora, uma puta estatua. Bonito demais! Fotos e mais fotos, hora de partir. Nisto eu ja estava com a pressao baixa, sem comer desde o café da manhã e andando que nem uma doida no sol. Avisei que precisava comer, decidimos comer no proximo ponto de parada.
O Forte de Alexandria, na outra extremidade da praia. E lá fomos nós, passamos pelo monumento ao soldado desconhecido. UAU. Chegamos enfim no forte. Na entrada da praia uma escultura linda de um escaravelho, mas nao deu pra tirar foto.
Comecamos a andar em direção ao forte, no caminho, varios vendedores ambulantes de souvenires. Fotos e mais fotos, a bateria da camera acaba. Comeco a ficar hipoglicemica. Estamos voltando pro taxi e aviso pro povo que nao dah mais, tenho que comer naquela hora ou vou desmaiar. Paramos num quiosque, compramos picole, chocolate, refrigerante e um bolinho. Comeco a comer o picolé, o resto enfio na bolsa e vamos pro taxi. O mundo volta a ter cores e estamos indo para a mesquita.
Chegamos na mesquite, uma menininha linda querendo vender tapete. Muito bonita e simpatica, amarrou minha pashmina na minha cabeca que nem o veu que elas usam. Fotos e mais fotos com a camera da Bispo.  Hora de ir, dou 5 euros pra menininha, ela me da um abraço. De volta ao porto.
O caminho é mega trash. Becos estranhos, umas lojas de pneus, desmanche de carros. o Gato tem que estar de volta as 4:30 no trabalho. Voamos e chegamos no porto, Gato sai correndo e se vai pro barco, Bispo e eu vamos para as lojinhas de souvenir.
Fiquei absolutamente pobre, na miséria.Até as moedas eu contei. Achei a encomenda do Ruizão, tá aqui guardada. Comprei tudo o que deu e ainda por cima foi pouco, saí desesperada porque não comprei o suficiente, queria aquelas bijouterias, roupas, enfeites pra casa, pratarias, tapetes, papiros gigantes, estatuas, aaaaaaaahhh… Cheguei no barco, peguei mais $ com minha amiga e comprei mais umas coisinhas. Voltei, desolada. Queria mais, não foi o bastante.
Morfei, fui trabalhar. Feliz, feliz mas absolutamente triste. Meu coração ficou no Egito. Kemet é meu lugar.
De noite, quando o barco ia sair, fui para a proa e descobri que Alexandria tem um farol. Não é, certamente como o da Antiguidade, mas aí fiquei lá olhando, olhando. O barco comecou a se mover e eu lá, olhando praquele céu. 
E eu chorei, chorei e agradeci.
Lembrei do meu pai, do meu Homem Grande, da Iony, do povo da HON, do meu irmão, do magrelo… O barco partia e eu chorava, fazendo uma prece olhando praquele céu de estrelas estranhas e antigas. Mais um dia, menos um dia.  

2 comentários:

Iony disse...

Mas vamos lá e juntas!!Não sei como,nem qdo, mas a gente vai SIM! Eu senti a emoção que vc sentiu!Lindeza!

Kytanna disse...

Querer é poder!!! Esse ano eu e o marido vamos tirar passaporte, pq as economias pra ir pro Egito, já estão sendo feitas. Vai fazendo a listinha das coisas que vc quer de lá, rs.