Páginas

20 de ago de 2011

Quanto vale?

Estava perambulando pela web e  me deparei no site de um praticante de magia. Lá, ele com sinceridade postou os valores dos seus serviços. Rituais - feitiços na verdade -  para deuses/energias predominantemente romanos/gregos saíam na faixa de R$300 a R$1.000,00. 
Porém, o que realmente me deixou, digamos, admirada foi o preço para participar de um ritual sazonal: R$1.000,00.

Sim, isto mesmo - a participação em um rito sazonal custava R$ 1.000,00. Mil reais!

Não tenho nada contra, em absoluto, as pessoas cobrarem por serviços prestados. Magia é troca, e a pessoa se dispôs a fazer algo e dedicar-se, ok, paga-se por isso. Vivemos no capitalismo.
O que me deixa estupefata é a exorbitância, a falta de senso nos preços. E isso é meio geral, eu noto.

Ordens esotéricas cobram pequenas fortunas para filiação. Sacerdotes/isas praticamente fazem pequenos assaltos por uma iniciação.Ocultistas pedem quantias vultosas para um feitiço.
Qual o critério: O grau de complexidade do procedimento? O grau de fodassidade de quem executa? De tudo um pouco? Só massagem no ego?

Enfim... só para constar, o curso de iniciantes da House of Netjer é gratuito. O trabalho dos sacerdotes e outros shemsu que como eu, executam a função de atuarem como intermediários e tradutores também não tem nenhum custo financeiro para quem os desfruta.
Eu não penso ser superior ou inferior por isso - apenas faço meu trabalho e me dedico à minha fé. Não me lamento por não virem alguns zeros a mais na minha conta bancária por isso. Sirvo aos deuses atuando pela comunidade kemética ortodoxa, e essa satisfação junto com a certeza de que sou eu que estou fazendo um trabalho certo, autorizado e reconhecido pela líder da minha religião me satisfazem de uma maneira única.

Respondendo à pergunta do título, bom, meu ka está alimentado. Penso que isso já valha o suficiente. E você, o que tem feito para alimentar seu ka estando emanado em Ma'at?

10 de ago de 2011

Linguística

Em Hotep!

Ano de Ptah,logo, falar em construção é até pleonasmo.
Venho produzindo/traduzindo boa parte do que tem por aí sobre a religião que sigo em língua portuguesa. Quando comecei, há alguns anos, além da significância per se das palavras, a questão da estilística sempre esteve (e está) presente. 
Fiz algumas opções, e, dentre elas, o termo "Kemetismo Ortodoxo". 
O que ocorre é que, embora não esteja errado, o termo não está alinhado com o nome Kemetic Orthodoxy, que além de nomear a religião, é também a sua denominação legal.

Assim sendo:

Eu, Tanakhtsenu, sat Khepera her Set, mery Aset her Heru-wer, shemsu, criadora e tradutora de todos os textos e versões em português sobre a religião kemética ortodoxa deste blog, do site, twitter, canal do youtube, formspring, facebook,multiply e outras fontes de difusão digitais ou não, ainda que não citadas diretamente, declaro que:
a partir desta data, I Akhet 8, mês de Djehuty, ano 19 do reinado de Hekatawy I, regido por Ptah - 10 de agosto de 2011 - o termo Ortodoxia Kemética  é o termo correto a ser utilizado em substituição ao termo Kemetismo Ortodoxo quer por mim e por qualquer outra pessoa, membro da House of Netjer ou não, ao referir-se à religião cujo nome em inglês é "Kemetic Orthodoxy".

A autoridade que possuo para tal decisão é imputada por anos de estudo,dedicação e práticas à religião kemética ortodoxa e endossada por anos de prática profissional e estudos dedicados ao idioma inglês.
Caso alguém deseje, me disponho a mostrar as evidências semânticas e etimológicas que me levaram a adotar a mudança de termos.

Senebty,
Tanakhtsenu.

8 de ago de 2011

Wep Ronpet Nofret

Feliz ano novo!
Estamos hoje no sexto dia do ano 19, ano de Ptah. o//

Quero dizer que orgulhosamente celebramos, pela primeira vez, o Wep Ronpet Brasil - este ano no ES. Presentes eu, HapDjehuty, PautKhepera e PaqeniSekhmet, num encontro de muito sol e momentos inesquecíveis. 

O Wep Ronpet é o maior feriado do Kemetismo Ortodoxo - para as celebrações serem completas, iniciamos no último dia do ano, passamos mais 5 dias com devoções diárias e celebramos o dia do ano novo propriamente dito ao nascer do sol. Quem quiser ver um pouco de como foi, visite (e curta) a página do Kemetismo Ortodoxo no Facebook aqui.

Vou falar um pouco sobre o que rolou - e "por um pouco", esperem um post gigante.
Convido aos outros participantes para deixarem aqui suas impressões também. :)

Chegada
Nos reunimos todos no último dia do ano 18, quando eu e Hap nos dirigimos para o ES. Tinha dormido pouquíssimo, mas nem por isso meu entusiasmo diminuiu - pelo contrário! Encontro divertido e com muitas risadas.
Eu cheguei pela manhã, então deu tempo de ir para a casa dos anfitriões, descansar um pouco, almoçar e voltarmos para buscar Hap. Mais um encontro divertido e cheio de risadas.
Mais tarde, todos juntos, esquematizamos como seria o próximo dia e como faríamos os rituais dos outros dias. Optamos em revezar quem conduziria os ritos,estando a condução ligada à linhagem do oficiante.

Dias epagomenais
No dia seguinte saímos de manhã para passear e fazer as compras do que necessitávamos em um bairro local especializado - a Vila Rubim . Encontramos o que queríamos, fizemos alguns ajustes.À noite montamos o altar, fizemos a devoção para Wesir, nosso rito sagrado e o rito aos Akhu. Foi uma grande emoção para todos, pela primeira vez reunidos em um ritual coletivo.

No outro dia, fizemos a devoção para Heru-wer no altar do dia anterior. Fizemos oferendas e preces e acabamos esticando a comemoração à noite também.

No 3º dia, a devoção para Set.Como não poderia deixar de ser, sendo seu aniversário, Ele nos presenteou - situações inusitadas, pequenas confusões e muitas risadas.Sua devoção foi diferente, fora do altar, mas com certeza foi uma das mais marcantes.

4º dia, devoção para Aset. Mudamos para o altar principal. Todos nós adornados para honrar a Grande Senhora de Kemet, em um momento de grande intensidade.Não houve rito mais lindo e cerimonioso do que esse.

Por último, no 5º dia, a devoção a Nebhet. O dia amanheceu estranho e passamos o dia parados, todos com a mesma sensação de tempo arrastado. Sua devoção também foi no altar principal, à noite.

Deixamos as coisas meio preparadas para o dia seguinte e os outros foram dormir. Eu ainda fiquei acordada até mais tarde fazendo os últimos retoques e fui deitar.

Wep Ronpet
Cedo, muito antes do sol nascer, levantamos.
Um a um, fomos nos preparar. O incriado, ainda no mundo, fez sua presença ser notada através de incidentes diversos que acabaram nos atrasando alguns momentos. Driblamos todas as adversidades e iniciamos os ritos, com convicção.
Fizemos a devoção do dia, o dia mais sagrado, pedindo as bênçãos para este novo ano.
Reunimo-mos e destruímos o incriado, o que se alimenta em isfet. Toda nossa força posta em ação para destruir e afastar. Pelo Olho de Ra e sua chama, derrotamos.
Saímos em procissão, buscando a primeira luz.Banhamo-nos em dourado, nossos deuses e deusas renascendo em ouro. Cantamos e nos alegramos.
Votamos para o altar principal. Iniciamos o rito sagrado, agradecendo por mais este ano, o ano 19, regido por Ptah. Foi um momento de pura intensidade, em que a emoção calou as palavras. Pedimos e agradecemos, compartilhamos e recebemos. Um festa, onde todos pudemos sentir as presenças dos deuses e deusas.
O tempo voou e quando nos apercebemos, 3 horas tinham transcorrido. Famintos e felizes, partilhamos o café da manhã. 
Só então o corpo sentiu e fui descansar. Mais tarde, saímos e fomos aproveitar o dia de festa e sol. A noite chegou, mais um jantar de celebração. Depois, arrumar as malas.

Partida
Correria pela manhã, últimas arrumações. Acompanhamos Hap até a condução que o levaria ao aeroporto e nos despedimos.
Almoçamos, últimas arrumações e a luta para fechar a mala.Saímos para o aeroporto e, como tínhamos tempo, tomamos um café. Chamada do voo, e tchau, ES.

Impressões
Difícil é conceituar o que significa estar entre aqueles que partilham o meu caminho, emanados em Ma'at. 
Há muito tempo se idealizou e planejou algo assim, mas as circunstâncias e as pessoas com atos idiotas e mesquinhos impossibilitaram de acontecer antes. Antes deste encontro só tive uma alegria similar a esta, que foi na tarde em que depois de muitos anos ganhei o abraço e o sorriso da Siath.

O Kemetismo Ortodoxo não é e nunca foi, uma religião de internet ou um lugar para se ganhar nome legal ou ainda o lugar para os colecionadores de títulos de ordens.

Vou repetir, porque eu já pensava isso, e agora, meu pensamento e opinião estão mais fortes ainda:

O Kemetismo Ortodoxo não é e nunca foi, uma religião de internet ou um lugar para se ganhar nome legal ou ainda o lugar para os colecionadores de títulos de ordens. 

Aqui a comunidade é importante SIM, vivenciar a fé com os outros é importante SIM, praticar que se aprende é importante SIM, trocar experiências é importante SIM, respeitar os outros é importante SIM, ter boa educação é importante SIM.

Tudo isso eu já pensava e sabia, mas agora, depois dessa experiência, de estar entre os meus no tempo mais sagrado... Como eu disse, meu pensamento e opinião estão mais fortes.
O tanto que eu ganhei nesses dias eu não aprendi em anos de leitura de internet. Aprendo sim, me dedicando e pesquisando, mas a interação com outros... Só vivenciando para se ter noção.   

Vivam. :)

Esse ano, o ano 19, é o ano de Ptah, Ele que é o grande construtor. Dua Ptah, acompanha-me durante este ano e permita que minha construção seja poderosa e durável. Kheperu! Nekhtet!