Páginas

26 de mai de 2013

30 dias de Paganismo - Dia 07 - Religião: Ritos de passagem

Os ritos de passagem, por definição, seriam rituais e cerimônias que marcam a transição de uma pessoa para uma nova etapa da vida ou status social. Estão presentes em todas as sociedades, desde os primórdios da nossa existência e sobrevivem, até agora em inúmeras variantes.
Como religião, a Ortodoxia Kemética possui uma estrutura definida a respeito dos seus ritos de passagem. Todos ocorrem por escolha própria dos que tomam parte. A liberdade de escolha é parte importante, e em nenhum momento ninguém é obrigado a participar de nada. Da mesma forma ninguém sofre ato algum tomado à revelia ou seja, ninguém assumirá qualquer voto religioso em nome de outra pessoa, como acontece em outras religiões.
Os principais ritos de passagem da Ortodoxia Kemética, sob meu ponto de vista são:
Entrada no curso de iniciantes – quando a pessoa interessada na ortodoxia kemética decide ingressar no curso para conhecer e vivenciar a religião como aprendiz. Este é um momento que marca a transição da simpatia/afinidade com o Egito para um nível mais profundo de religiosidade e aquisição de conhecimento.
Realização do primeiro Senut – quando o aprendiz compreende e realiza pela primeira vez o ritual de devoção. Este é um momento único, já que é a primeira vez que o contato com a egrégora é efetuado, da realização de expectativas e um passo determinante para a prática religiosa.
Tornar-se remetj – após o fim do curso, quando a pessoa decide permanecer na House of Netjer, ela torna-se remetj, um amigo da fé.Como remetj ela pode tomar parte das celebrações, envolver-se com a comunidade kemética e vivenciar a Ortodoxia Kemética sem um grau de envolvimento mais aprofundado.
Realização do RDP – a qualquer momento, um remetj pode querer passar pelo mais importante dos ritos de passagem da Ortodoxia Kemética. O Rito de Divinação Parental é um grande passo rumo ao autoconhecimento. Através deste rito, se saberá quem compõe sua linhagem divina, quem são o/os/a/as deus/es/as que criaram o ba e o ka desta pessoa. É um momento sagrado e que deve ser muito bem pensado, estar além da mera curiosidade – mais do que conhecer um/a deus/a, é também deixar este/a deus/a saber que a pessoa o/a conhece também.
Tornar-se shemsu – quem passa pelo RDP pode optar a qualquer momento em permanecer como remetj ou então tornar-se shemsu, um devoto. Um/a shemsu (como eu) é alguém que fez um voto sagrado de honrar em primeiro lugar os deuses de sua linhagem e de colocar em primeiro lugar a Ortodoxia Kemética em detrimento de qualquer outra prática religiosa que tenha em sua vida. Além disso, um/a shemsu está de acordo com os princípios da Ortodoxia Kemética e, principalmente, reconhece a Nisut Hekatawy I (AUS) como líder e autoridade da fé kemética ortodoxa.
Nomeação – todo shemsu recebe um nome kemético, dado pela Nisut (AUS) em uma cerimônia. O nome de shemsu é muito mais do que um “nome mágico” ou um pseudônimo. O nome de shemsu é a confirmação do status de shemsu, a lembrança viva do juramento realizado nesta cerimônia, de honrar a linhagem divina de cada um. O nome de shemsu é parte da pessoa e é único – ninguém tem um nome igual a outro.
Tornar-se shemsu-ankh – depois de algum tempo na House of Netjer, um shemsu pode optar em tornar-se shemsu-ankh. Para isso, passará por um ritual específico onde tomará novos votos.
Tornar-se sacerdote W’ab – depois de algum tempo, um shemsu-ankh pode optar em tornar-se um/a sacerdote/isa W’ab. Com isso, passa a ter funções mais complexas além das já assumidas anteriormente e  também mantém um altar público.
Tornar-se Imakhu – depois de algum tempo, um W’ab pode ser elegível para tornar-se um Imakhu, um reverendo/a, que é parte do clero oficial da House of Netjer. Mais tarde, pode passar a ser um/a Kai-Imakhu, um reverendo exaltado, é alguém que assume um outro nível de responsabilidade e, dentre suas funções está a de supervisionar Imakhu.
Apesar de estarem aqui em sequencia, não significa que os ritos podem ser feitos desta forma ou que necessariamente eles tem que ser feitos. Como eu disse e repito, tudo é opcional. Conheço pessoas que são keméticas há tanto tempo quanto eu, são remetj e nem por isso se sentem “menos” que outros. Ninguém é obrigado a nada – mas daqueles que se propõe a seguir adiante, espera-se um alto grau de comprometimento e seriedade. Estar além da superficialidade, compreender a religião, dispor-se a viver em Ma’at, a servir a Netjer e à comunidade, dentre outros fatores. 
Cada um destes ritos é parte da vida daquele que escolhe passar por eles – eu ainda lembro com muito carinho de cada um dos meus passos e sou feliz por isso. Ser uma shemsu me realiza, ser Tanakhtsenu me completa, reverenciar meus Pais me ilumina e me orgulha, acima de tudo, de ser eu mesma.